sábado, 31 de maio de 2008

Noticias da Cia dos Ventos - Paraná

Bolsa de Sevilla
De 09 a 18 de maio de 2008 ocorreu em Sevilha/Espanha a XXVIII Feria Internacional del Títere, promovida pelo Teatro Alameda em parceria com a prefeitura de Sevilha. Em paralelo ao festival, ocorreu uma oficina de "Teatro de Papel Contemporâneo" ministrada por Alain Lecucq, tido como um dos maiores especialistas no assunto. Para esta oficina foram concedidas 03 bolsas de estudos para sócios latino-americanos da UNIMA. E eu, Lucas Mattana da Cia dos Ventos/Brasil, fui um dos selecionados e escrevo este relato para agradecer o apoio da APTB- Associação Paranaense de Teatro de Bonecos, ABTB-Centro UNIMA / Brasil e a Comissão para América Latina de UNIMA, sem os quais nada teria sido realizado.

Mas escrevo também para dividir esta experiência como todos os colegas bonequeiros.

SOBRE A OFICINA:
A técnica do teatro de papel foi muito popular na europa, e teve seu apogeu no século XIX, caindo aos poucos em desuso. Alain Lecucq resgatou a técnica e introduziu os temas contemporâneos na dramaturgia. Simplificando as coisas, o teatro de papel de Alain Lecucq consiste na criação de animações utilizando apenas figuras bidimensionais. A manipulação das personagens é extremamente limitada e isso faz com que os espetáculos de papel dependam muito do desenvolvimento visual das cenas e da capacidade de contar histórias do ator-manipulador. Coloco-me a disposição para explicar mais detalhes sobre confecção de personagens e cenários apresentados na oficina.
SOBRE AS EXPERIÊNCIAS DESTE JOVEM BONEQUEIRO:
O contato com a realidade européia e, principalmente, com os bonequeiros presentes no festival foi transformador e me fez refletir sobre o teatro de bonecos e sobre o movimento bonequeiro.
A primeira coisa foi uma desmistificação da produção estrangeira. Ficou muito claro para mim que a produção brasileira é de qualidade e não fica devendo nada ao que é feito lá fora, isso ficou comprovado pela participação do Grupo Anima Sonhos/RS que se destacou em qualidade dentro do festival.
Outro ponto é a organização dos bonequeiros em torno da UNIMA que na europa é consistente e garante a realização de vários festivais, oficinas e a publicação de livros e periódicos sobre teatro de bonecos.
Com os colegas bolsistas, agora amigos, Julio Perea (México) e Rafael Brozzi (Chile) concluí que a realidade social é praticamente a mesma nos países latino-americanos. Devemos explorar intercâmbios culturais e fortificar as relações entre grupos destes países tão próximos e, às vezes, tão distantes por causa da falta de comunicação.

Alain Lecucq é o atual presidente da UNIMA/França e membro do Comitê Executivo de UNIMA ( Presidente da Comissão de Publicações), com ele entendi que é urgente a criação de um banco de informações atualizado sobre tudo o que acontece no mundo do teatro de bonecos. Um meio democrático e acessível a todos é relativamente fácil de se construir. Segundo ele, somos mais ou menos 6.600 membros da UNIMA em todo o mundo e com avanços tecnológicos como a internet podemos ter um site com informações atualizadas para e sobre todos. A expansão dos horizontes artísticos, culturais e econômicos para todos os bonequeiros é acessível e fácil de se realizar, só depende da vontade de cada um.
Em suma, estas são minhas considerações. Creio que muitas coisas podem ser feitas em benefício de todos. Porém, isso depende de nos organizarmos a começar pela manutenção de uma comunicação verdadeira que busque a troca de experiências e a informação. As ferramentas estão a disposição, é necessário por mãos à obra. Com este relato inicio meu trabalho em este processo e me disponho a participar das ações nesse sentido.

Saudações bonequeiras,

Lucas Mattana
Cia dos Ventos- São José dos Pinhais - PR
www.obonecoeasociedade.blogspot.com

Notícia da Cia Boca de Cena - Paraíba


A Cia Boca de Cena junto com o Ministério Público da Paraíba e a Promotora da Infância e Juventude, Soraya Escorel, estarão participando do XIII Encontro Nacional de Apoio à Adoção – ENAPA 2008 em Recife – PE.
No evento, será apresentado o espetáculo "Adoção, Um sonho, Um destino" e em seguida acontecerá uma palestra com a promotora.

Local: Mar Hotel - Boa Viagem / Recife-PE

Fotos do espetáculo: "Adoção, Um sonho, Um destino"

Trip Teatro de Animação - Santa Catarina

Trip Teatro de Animação segue viagem para uma série de apresentações
A Trip Teatro de Animação, grupo ligado ao Ponto de Cultura Anima Bonecos, de Rio do Sul (SC), segue agora para uma série de viagens e apresentações pelo Brasil. Para começar, a companhia levará o espetáculo O Incrível Ladrão de Calcinhas ao Festival Internacional de Teatro de Bonecos, de Belo Horizonte (MG). As apresentações acontecem nesse fim de semana, dias 31 de maio e 1° de junho, às 19 h., no Teatro Marília.
Ainda no mês de junho, a Trip marcará presença no 20° Festival Internacional de Teatro de Bonecos de Canela (dias 12 a 15) e no 2° FITAFLORIPA-Festival Internacional de Teatro de Animação (dias 17 a 23). A cia. foi também convidada a se apresentar no Festival Internacional Universitário de Teatro de Blumenau, que acontece de 04 a 12 de julho, e, finalmente, entre os dias 13 e 18 de julho, participará do Festival Espetacular de Teatro de Bonecos de Curitiba.
Centro de Pesquisa e Produção de Teatro de Animação - Ponto de Cultura Anima BonecosRua Vidal Ramos,197 - SumaréRio do Sul - SC - 89160-000(47) 3525-5229

Conheça o trabalho da Cia dos Ventos

Estréia de "Seu Bala" de Itaercio Rocha - Paraná

A peça “Seu Bala”, produzida por Itaércio Rocha, responsável não só pela produção, mas também direção e atuação, e também como músico e compositor . Por meio deste projeto, ele dá continuidade à peça “Baé”, que foi produzida nos mesmos moldes deste novo espetáculo. Trata-se do teatro de animação e oralidade, mostrado em composições autorais. Apenas duas canções da peça não são da própria autoria do músico. “Este projeto é voltado para crianças, mas o teatro de animação é feito tanto para a infância quanto para outras idades, e cria uma certa desarticulação do raciocínio lógico”, conta Rocha. Estreiou dia 20 de abril, e segue em cartaz no mês de junho.

Cia. Sonora - Paraná

ENCANTOS DE VAGALUME E BORBOLETA

A peça Os encantos de vagalume e borboleta, da Cia Sonora, apresenta as lendas e causos tradicionais brasileiros, como a mula-sem-cabeça, o lobisomem, o boi-de-mamão e a história do fantasma branco de bolinha preta. O espetáculo é conduzido por dois contadores de causos, Zé Vagalume e Maria Borboleta, que animados pelo som de um violeiro caipira (Tião Besouro) fazem trovas e desafios para mostrar que são destemidos. Os dois possuem um estranho aparelho para capturar criaturas misteriosas, que são retratadas nas cenas com bonecos de luva e de vara. O texto é rimado, e as trovas e os desafios são feitos pelos atores.
No elenco estão Betho Collaço, Luiz Reikdal e Tina de Souza, e a peça é de autoria de Paulo Afonso de Souza Castro.
Em Cartaz:
Data:01/6 Horário: 11h Local:Teatro do Piá (Praça Garibaldi, 07 ) Entrada Franca

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Grupo Sobrevento - São Paulo



Formado em novembro de 1986, o GRUPO SOBREVENTO é um grupo profissional de Teatro que mantém um repertório de espetáculos e que se dedica à pesquisa, teórica e prática, da animação de bonecos, formas e objetos. Desde a sua fundação, o Grupo mantém um trabalho estável e ininterrupto e tem-se apresentado em mais de uma centena de cidades de 19 estados brasileiros. O SOBREVENTO esteve, também, no Peru (1988), Chile (1996 e 2002), Espanha (1997, 1999, 2000, 2001, 2004, 2007 e 2008), Colômbia (1998 e 2002), Escócia (2000), Irlanda (2000), Argentina (2001) e Angola (2004), representando o Brasil em alguns dos mais importantes Festivais Internacionais de Teatro e de Teatro de Bonecos.
Os espetáculos do Grupo são muito diferentes entre si, quer seja na temática, quer seja na forma, na técnica de animação empregada, no espaço a que se destina ou no público a que se dirige. O Grupo tem recebido Prêmios ou indicações para Prêmios da importância do Mambembe (Funarte/Ministério da Cultura), do Coca- Cola, do Shell, do APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e do Maria Mazzetti (RioArte), sendo sempre posicionado pela crítica especializada entre os melhores de suas temporadas. Por duas vezes consecutivas, em 1994 e em 1995, o SOBREVENTO recebeu do Ministério da Cultura o Prêmio Estímulo, pelo conjunto dos seus trabalhos e “pela sua contribuição ao panorama das Artes e da Cultura do país”.
Além das apresentações de seus espetáculos, o SOBREVENTO desenvolve diversas atividades no campo do Teatro de Bonecos e de Animação, como a realização de cursos, oficinas, palestras e mesas-redondas, tanto no Brasil como no exterior. Realizou, também, duas Mostras Internacionais de Teatro de Animação no Rio de Janeiro - Rio Bonecos 92 e Mostra Maria Mazzetti 95 -, foi diretor artístico do 1º Festival Internacional de Teatro do Rio de Janeiro - Rio Cena Contemporânea -, em 1996, e organizador da Mostra Nacional de Teatro de Animação O Teatro de Bonecos e a Música, em 2001, e da 1ª Mostra RioArte de Bonecos - Grandes Mestres do Teatro de Bonecos Mundial no Rio. Além dos Festivais que organizou, foi responsável pela vinda e pela circulação pelo país de diversas companhias estrangeiras de Teatro de Bonecos.
Ao longo da sua carreira, o SOBREVENTO criou vários espetáculos, a maioria dos quais permanecem em repertório. Dirigido, ainda hoje, por Luiz André Cherubini, Sandra Vargas e Miguel Vellinho, seus três fundadores, e tendo incorporado a seu núcleo artístico Anderson Gangla e Maurício Santana, entre outros, o GRUPO SOBREVENTO é reconhecido, nacional e internacionalmente, como um dos maiores especialistas brasileiros em Teatro de Animação e uma das principais Companhias estáveis de Teatro do Brasil.




Contato:grupo@sobrevento.com.br

Cia. Truks - São Paulo


A Cia. Truks - Teatro de Bonecos foi criada em 1990, e desde então apresenta seus espetáculos de repertório em teatros, escolas, instituições ou espaços alternativos de todo o Brasil, além de participar de mostras e festivais de Teatro e Teatro de Animação em países do exterior. Paralelamente, ministra cursos e oficinas sobre técnicas de animação de bonecos, objetos e figuras, além de cursos sobre procedimentos dramatúrgicos para o Teatro de Animação. Eventualmente atua na área publicitária, criando roteiros, bonecos e animações diversas para filmes e eventos afins.
Cia. coordena, atualmente, o Centro de Estudos e Práticas do Teatro de Animação, projeto laureado pela Prefeitura de São Paulo - Secretaria Municipal da Cultura, através do Prêmio "Teatro Cidadão" e atualmente contemplado pelo PROGRAMA MUNICIPAL DE FOMENTO AO TEATRO PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. O "Centro", a partir de uma programação extensa que envolve a realização de oficinas, palestras, ciclos de debates, apresentações de pesquisas teatrais e um circuito de apresentações de espetáculos adultos e infantis, tem preenchido um importante e inédito espaço na capital paulistana, como verdadeiro espaço de referências para o Teatro de Animação, onde profissionais da área e interessados encontram vasto material para estudo, análise, discussão, apreciação e reflexão sobre este fazer teatral. Truks notabilizou-se, ao longo dos anos, por seu extremo profissionalismo, marcado por cada uma de suas mais de 5.000 apresentações já realizadas, além de uma constante e obsessiva busca pela perfeição técnica, pela vida e máxima expressividade de seus bonecos. Dotou o seu trabalho e pesquisa cênica de uma característica singular, ao desenvolver uma técnica particular de animação de bonecos, inspirada na centenária arte japonesa do "Bunraku", em que três atores, simultaneamente, animam o mesmo boneco, conferindo-lhe movimentos humanos precisos, que encantam e surpreendem platéias de todas as idades. Não somente, a Cia. combina, a essa estética refinada de manipulação de figuras e bonecos, uma dramaturgia rica que, com delicadeza, usa o caráter mágico de seus bonecos para envolver e encantar crianças, escolha primeira do grupo. Sua capacidade de comunicação direta e precisa com este público é patente, concretizada através de histórias bonitas, que consideram e respeitam o seu rico universo criativo, ao tempo em que lhes oferecem visões de mundo instigantes, inovadoras, e repletas de fantasia, criatividade e poesia. Truks almeja fazer de sua atividade artística um forte instrumento de enriquecimento do imaginário infantil, atuando diretamente na formação de cidadãos críticos, criativos e, sobretudo, sensíveis, prontos a responder, com afeto e respeito ao próximo, aos desafios da vida futura.

Para ver pequenos vídeos dos espetáculos da Cia. Truks:CIDADE AZUL (infantil) - http://www.youtube.com/watch?v=fyRlJJteVUIO SENHOR DOS SONHOS (infantil) - http://www.youtube.com/watch?v=OL5Q6os3PAgVOVÔ (infantil) - http://www.youtube.com/watch?v=tVyjLd1GcJkGIGANTE (infantil) - http://www.youtube.com/watch?v=-7CwqUDgTSoBIG BANG (teatro jovem) - http://www.youtube.com/watch?v=kqcly_8qgGk outros vídeos:Comercial feito para Golden Cross:http://www.youtube.com/watch?v=1nacyanRs_0Quem somos - http://www.youtube.com/watch?v=ToGL6F4stX4Programas de TV - http://www.youtube.com/watch?v=a3vvEorbOeYJornal Hoje - http://www.youtube.com/watch?v=APJIPKBiFYk

Contato:E-Mail: truks@uol.com.br

GRUPO VIOLA QUEBRADA


Grupo curitibano de música regional formado por Oswaldo Rios (voz e violão), Margareth Makiolke (voz e violão), Rogério Gulin (viola caipira), Maurílio Ribeiro (violão e contrabaixo) e Rubens Pires (acordeom). O nome do grupo foi inspirado em poema de Mário e Andrade. Em 1998, gravou seu primeiro CD, "Viola quebrada", contendo a canção título, de Mário de Andrade, "Flor do cafezal", de Luiz Carlos Paraná, "Meu céu", de Xavantinho e Zé Mulato e "Caçador", de Tião Carreiro e Carreirinho, entre outras. O disco contou com a participação especial de Pena Branca e Xavantinho, do violeiro Roberto Corrêa e do grupo curitibano Terra Sonora. No ano seguinte, apresentou-se no Teatro da Reitoria, em Curitiba.Em 2003, o grupo lançou pelo selo Kuarup o CD "Sertaneja", que contou com as participações especiais de Roberto Corrêa, Badias Mediros e Paulo Freire. Estão presentes no disco, entre outras, a música título gravada por Orlando Silva em 1939, "Boneca cobiçada", de Palmeira e Biá", "Chitãozinho e Xororó", de Serrinha e Athos Campos, "Cabocla Tereza", de João Pacífico e Raul Torres, e "Cabelo loiro", de Tião Carreiro e Zé Bonito.


terça-feira, 27 de maio de 2008

Pivete Cia de Arte - Paraná


OFICINAS ABERTAS
TEATRO DE BONECOS
CENOGRAFIA
MAQUETES
A Pivete Cia de Arte promove em seu atelier Cursos Abertos.


Atendimento individualizado. Você aprende a técnica que lhe interessa.
Horário personalizado, seguindo uma agenda marcada previamente.
Ligue e agende-se.
Fones: (041) 3013-5159 / 9152-7644
Informações: Pivete Cia de Arte

sábado, 24 de maio de 2008

Cia dos Ventos - Paraná



Criada em 1994, por Joelson Cruz e Tadica Veiga, a Cia dos Ventos é uma companhia voltada a formação do cidadão na arte, buscando integrar todos os aspectos de desenvolvimento do ser humano, e a pesquisa e divulgação do Teatro e do Teatro de bonecos.


Cia premiada e reconhecida por seu trabalho. A Cia oferece estágios temporários a bonequeiros e arte-educadores que queiram conhecer e se aperfeiçoar na arte bonequeira.


Foto do espetáculo FLORES DO MANGUE



A Cia dos Ventos desenvolve:

O projeto O boneco e a Sociedade


video





Criação e confecção e manipulação de bonecos

















Museu do boneco Animado







Centro Experimental: Oficinas e Centro de pesquisas
Carnaval dos bonecos
Projetos Especiais

Espetáculos

video


Contato: tadica@ibest.com.br ou tadica.veiga@sjp.pr.gov.br

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Cia Arte & Manha - Paraná




A Cia Arte & Manha de Guarapuava, formado por Rita Felchak, Dody Sanmann, David Felchak, Jisele Pavone e Daiana Felchak. Um grupo dedicado às artes cênicas, a formar e informar, a pesquisa e ao desenvolvimento das artes no Paraná.
Espetáculo:Um Conto para Nossa História
Trata-se de uma exposição onde a relação criativa e inédita das possibilidades de brincar, incremetam a contação. A simplicidade de conter nas entrelinhas o lúdico e o novo, o antigo e o atual. Através de uma pesquisa minuciosa das manifestações populares e documentos oficiais, a releitura fornece informações gerais sobre a história de luta da região central do Paraná. Numa versão bem humorada, trata temas principais com criticidade, arte e dando asas a imaginação daqueles que vêem e fazem a história do Paraná. Num misto de ternura e dinâmica o espetáculo oferece dança, teatro e bonecos. O elemento cênico principal é o boneco, uma paixão que nos impulsiona cada vez mais a pesquisar elementos novos, contribuir com novas criações, técnicas, utilizar elementos com ludicidade através de uma técnica popular de teatro de bonecos. Texto: Rita Felchak. Direção: David Felchak e Rita Felchak. Manipulação: David Felchak, Dódy Sanman, Jisele Pavoni e Rita Felchak. Sonoplastia/Pesquisa: Dódy Sanman. Cenário: David Felchak. Execução: Cia Arte & Manha e Ozires Machado. Figurino: Ira Lopes e David Felchak. Criação dos Bonecos: Dody Sanman. Execução dos Bonecos: Cia Arte & Manha. Estagiárias: Andressa Machula e Daiana Felchak. Produção: Kleyton Reis e Michele Menezes. Técnicas de Manipulação: Formas Animadas/Direta /Luva/Vara. Público: Geral. Duração: 45min.




Espetáculo: Completando-se









Espetáculo: As cavalhadas
Contato:ritifel@hotmail.com

quinta-feira, 22 de maio de 2008

Cia Polichinelo Teatro de Bonecos - São Paulo

A Cia. Polichinelo, que tem sua sede em Araraquara, interior de São Paulo, surgiu do encontro do ator Márcio Pontes com jovens atores araraquarenses que tinham como objetivo maior o estudo e o trabalho com teatro de bonecos e suas vertentes.

Embasado por sua experiência com criação e confecção de bonecos e acreditando na força dos títeres e sua expressividade, Márcio estreou seu primeiro trabalho com o grupo : "A Princesa e a Lua" em 1997. Em 1998, o grupo estreou “Eu e Mim mesmo - A vida atrapalhada de um mago”, texto de Márcio e Yáskara Moura que mesclava atores e bonecos em cena.

“Navegando” pelo universo dos Títeres e dos atores, seguiram-se as montagens de “Cinderela”- 1999, “A Bela e a Fera”- 2000, “Rapunzel”- 2001, “Eu e Mim Mesmo”- 2001, “Anjos Inocentes“- 2002 (primeiro trabalho do grupo voltado ao público adolescente) ,“A Verdadeira Historia do Lobo Mau” (um marco na carreira do grupo) - 2002/2003 e “O Brurugundum do Morro” - 2004 ( um musical produzido pelo grupo a pedido do SESC São Carlos para a Exposição “O Samba pede Passagem”) além dos Autos de Natal : “Sob Seus Olhos”- 2001/2002 “Trindade”- 2003 e “Francisco”, em 2004.

Nestes 10 anos ininterruptos de trabalho, o Polichinelo utilizou em suas montagens atores e bonecos, mas se solidificou como um grupo de teatro de títeres fazendo de sua pesquisa particular nesta área, sua maior motivação, depois de “A Verdadeira História do Lobo Mau”, espetáculo que ainda permanece em cartaz. A montagem de “João e Maria” (2004/2005), vem concretizar os objetivos iniciais do grupo, tornando-se respeitado na área artística e difundindo o teatro de títeres pelo interior do Estado. Apresentando em dezenas de unidades dos SESC (interior e capital), Espaço Cultural CPFL, Mostra de Teatro de Bonecos do SESI, Festival de Uberlândia, entre outros.

Em 2004, o grupo deixa de se intitular “Grupo” e passa a se chamar “Cia Polichinelo” e investe cada vez mais na pesquisa e na elaboração de espetáculos com bonecos das mais diferentes formas.

contato: contato@ciapolichinelo.com.br



Grupo Tato Criação Cênica - Paraná

A Tato Criação Cênica começou suas pesquisas em 2004, em Curitiba, Paraná, o grupo é formado por Dico Ferreira e Katiane Negrão. Em outubro desse mesmo ano estreou “Tropeço”, que aborda a solidão de duas idosas. A peça foi aplaudida dentro e fora do país, destacando-se os festivais internacionais de Buenos Aires (Argentina), Mirepoix (França), Ovar (Portugal) entre vários outros.

Espetáculo TROPEÇO

Tropeço quer dar vida ao simples. Sobre uma mesa, com baús e alguns pequenos objetos cria-se um mundo onde dois atores manipuladores e suas mãos dão vida a duas personagens: duas velhas que moram juntas. Partindo da costumeira visão que temos da velhice mostra-se sua solidão e as pequenas ações rotineiras, porém cria-se um universo de sutileza e extravagância, poesia e comicidade em mãos que andam, dançam, bebem, respiram, riem e choram.

Espetáculo: E se...

Um espetáculo de teatro de animação aparentemente voltado ao público infantil, mas que também é uma atração para os adultos. “E se...” é uma comédia que aborda as muitas possibilidades da vida, através de simpáticos personagens que surgem em cena com o uso de pequenos adereços nas mãos dos premiados atores Katiane Negrão e Dico Ferreira, integrantes do grupo Tato Criação Cênica.

A peça discute com bom-humor e fantasia os diversos caminhos que a vida oferece e as conseqüências decorrentes das ações que forem tomadas. Mas esse pensamento está embutido numa encenação que trabalha com o lúdico e o real, sendo um o contraponto do outro.

Menino de rua, palhaço, gari, agricultor, uma simpática velhinha são alguns dos personagens que se movimentam nos cenários do campo e da cidade, cada qual com seu próprio universo. Os encontros e desencontros no cotidiano dessa gente é que dá sustentação ao espetáculo.

“E se...”, criação assinada em conjunto por Dico e Katiane, surgiu da necessidade do grupo em oferecer uma montagem para o público infantil, depois da trajetória de sucesso de “Tropeço”, direcionada aos adultos. Porém, nos quatro anos de carreira da peça, sempre houve a presença de crianças na platéia. A proposta do grupo é continuar as pesquisas na animação de partes do corpo, expandindo-se na manipulação de objetos.

Contato: contato@tatocriacaocenica.com.br

Catibrum Teatro de Bonecos - Belo Horizonte


Um dos mais respeitados grupos de Teatro de Animação do Brasil, a Catibrum traz, em sua bagagem, montagens originais, temporadas e turnês de espetáculos e a organização de eventos, como o Festival Internacional de Teatro de Bonecos, que acontece em Belo Horizonte, desde 2000.

Fundada em 1991 por Lelo Silva e Adriana Focas com o objetivo de pesquisar as manifestações populares e divulgá-las através dos títeres.

"O Dragão que Queria Ver o Mar" foi o primeiro espetáculo montado, seguido de "Andanças", "O Baile do Menino Deus", "A Volta ao Mundo em Oitenta Dias", "O Cavaleiro da Triste Figura", até que com o prêmio Myrian Muniz veio "Homem Voa?", que estreou em outubro de 2006 e já conquistou platéias em várias partes do Brasil, tendo sido indicado para o Prêmio HQMIX (Melhor adaptação de quadrinhos para outros veículos), além de receber o Prêmio Cena Minas (Prêmio Estado de Minas Gerais de Artes Cênicas) em 2008.

Em 2001, ano em que completou 10 anos de atividades, a Catibrum transformou-se em Centro de Produção Cultural, com o objetivo de se tornar um centro de pesquisas colocando à disposição todo o acervo de livros, vídeos e títeres de várias partes do Mundo.


Atualmente, fazem parte do elenco e do grupo de pesquisas para a montagem do espetáculo "D. João Carioca": Lelo Silva, Adriana Focas, Amaury Borges, Eduardo Santos, Tim Santos, Admar Fernandes, Cecília Berger, Daniel Juliano e Patrícia Lanari.

Paralelamente, a Catibrum realiza a multiplicação do conhecimento, por meio de oficinas de confecção e de manipulação de bonecos. Os cursos contam com aulas de teatro, voz e um panorama do teatro de formas animadas. Os alunos confeccionam os próprios bonecos, criam ou adaptam o texto a ser utilizado, constroem cenários e, ao final do curso, têm como produto um espetáculo pronto para ser apresentado.

E-mail
catibrum@catibrum.com.br

Correspondência
Centro de Produção Cultural Catibrum
Rua Francisco Bicalho, 1912 - Caiçara
Belo Horizonte, MG
CEP: 30720-340

Cia Troppa de Fantoches em Cena - Rio de Janeiro


A Cia TROPPA de FANTOCHES em CENA trabalha produzindo espetáculos tbm com cunhos históricos ou de utilidade pública, como "DUMONT. O Sonho de um voador", "PORTINARI. Retratos de uma Infância", "SUCATÓPOLIS", "O ANIVERSÁRIO" e "O SHOW DO TUNGA" um cachorro simpático e que vive se metendo em encrencas.

A Cia é dirigida por Marcia Fernandes Pimentel.Atriz, titeriteira, Historiadora e Contadora de histórias.

Marcia Ensina a "ARTE DO TEATRO DE BONECOS" (confecção e animação-manipulação) e "AS PRINCIPAIS TÉCNICAS DE UM CONTADOR DE HISTÓRIAS".

Contato: troppadefantochesemcena@gmail.com

Grupo "Julietas e os Metabonecos " - Rio Grande do Sul


Desde 1993 o grupo vem apresentando "Maria Farrar",com duração de 30 minutos, em eventos, festivais, mostras...1a.Formação de elenco: ANA, DÉBORA e GRAZIELA. Em 2006, ano de muitas homenagens, participou da comemoração "50 anos Bertolt Brecht" com nova formação: DÉBORA, ELAINE e GRAZIELA, sempre com o olhar atento do diretor JÚLIO SARAIVA.
Recentemente foi convidado para participar do festival de Bilbao, Espanha/2007.



Maria Farrar
Autor: Bertold Brecht
Diretor: Júlio Saraiva
Atrizes: Débora Villanova, Elaine Regina e Graziela Saraiva
Cidade: Porto Alegre - RS
Contato:
julietasmetabonecos@yahoo.com.br

Grupo Brincantes Cênicos - Pernambuco


O grupo Brincantes Cênicos é de Arcoverde, no agreste de Pernambuco.

BOI ESTRELINHA
Este boi é uma das atividades do grupo Brincantes Cênicos e brincadeiras carnavalesca e juninas para todos os fins artísticos.







contato: brincantes_cenicos@hotmail.com










Desfile das Troças da Folia dos Bois.
Boi Teimoso
Boi Chifre de Ouro
Boi Urso Brasil
Boi Preguiçoso
Boi Coriscou
Boi da Mazuca
Boi Bola de Fogo
Boi Estrela Maluquinha.
Boi Favorito
Boi Misterioso
Boi Fantástico
Boi Mangangá
Boi Lavareda
Boi Tatu
Boi Pincel
Boi Estrelinha
Boi Cafuné
Boi da Tropa do Balacobaco
Boi Os Boi-ólas
Boi Maluvido
(campeão do carnaval 2007)

Cia Boca de Cena - Paraíba


A Cia de Teatro de Bonecos Boca de Cena é uma entidade civil de direito privado, sem fins lucrativos, criada com o objetivo maior de resgatar a arte do Teatro de Bonecos no Estado da Paraíba e difundi-la junto aos mais variados setores de nossa sociedade.
Nos últimos oito anos nos dedicamos a explorar as mais variadas técnicas de construção e manipulação de bonecos conhecidas no Brasil e no mundo. A utilização de vários recursos como iluminação, sonoplastia, pirotecnia e cenografia, fizeram com que o trabalho da Cia Boca de Cena se destacasse no cenário nacional como uma fiel releitura do teatro de bonecos popular. O “Mamulengo” pernambucano, o “Babau” paraibano e outras tantas linguagens do boneco popular, já esteve muito presente em feiras, praças e ruas, atuando de forma indispensável na formação cultural de todo povo brasileiro.
Nosso grande objetivo é unir tecnologia com poesia, lirismo e irreverência, que são as principais particularidades desta arte singular nordestina.

O Projeto de "Registro do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste", como Patrimônio Cultural do Brasil.

Essa é uma iniciativa da Associação Brasileira de Teatro de Bonecos e seus núcleos estaduais de inserir esta manifestação popular no livro Formas e Expressões do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional – IPHAN. Essa ação compromete a participação de quatro estados do nordeste (PB, PE, CE, RN mais o PR e o Distrito Federal), tendo o Rio de Janeiro como consultor de pesquisa.

No estado da Paraíba a coordenação do Projeto ficou sob responsabilidade da Cia Boca de Cena, com a bonequeira e especialista em educação, Amanda Viana.
O foco principal dessa primeira etapa é registrar bibliograficamente, qualquer material referente aos bonequeiros populares do nosso estado. Sejam acervos particulares, livros, periódicos, fotografias etc.
Pedimos então, a ajuda de todos na tentativa de encontrar os rastros dos nossos bonequeiros populares, precisamos encontrá-los.
Caso você tenha alguma informação sobre o assunto, entre em contato pelos e-mails:

ciabocadecena@gmail.com ou amanda.v@ig.com.br

FESTIVAL MUNDIAL DA MARIONETE


Festival Mundial de Teatro de Bonecos, na cidade francesa de Charleville-Mézières acontecerá de 18 a 27 de setembro de 2009.Estão abertas as inscrições para todas as companhias no site: http://www.festival-marionnette.com/A data final de envio do material é 31 de julho de 2008

História da ABTB/CUB

Em 1973, é criada a Associação Brasileira de Teatro de Bonecos, a ABTB, por Clorys Daly com a colaboração efetiva de Cláudio Ferreira , Virginia Valli, Daisy Schnabl, Carmosina Araújo e Elsa Milward Dantas.
• É através dessa Associação que nasce a primeira e única revista especializada no assunto, a MAMULENGO que alcança quatorze números;
• É também através da ABTB que ocorre regularmente os festivais nacionais.
• O Centro UNIMA-Brasil é criado, em 1976, dentro da estrutura da própria ABTB como ocorre em todos os países e por orientação da própria União Internacional de Marionetistas – a UNIMA, entidade das mais antigas do mundo, criada em 1929 e vinculada à UNESCO, a qual a ABTB representa, no Brasil.
• Como decorrência do trabalho desenvolvido pela ABTB, uma grande mobilização dos grupos de teatro de bonecos existentes, no país, possibilita efetivamente a transformação da realidade do teatro de bonecos brasileiro. Na verdade, desde a década de setenta que estoura como uma espécie de época de ouro (ou abre as comportas de uma produção grande reprimida e desconhecida nacionalmente) pela quantidade de espetáculos, de eventos, de novos grupos e de intensa reflexão deste fazer artístico. Nesse contexto, observa-se intenso questionamento coletivo dos artistas sobre o por que da identificação do boneco com a criança e sobre a necessidade de uma maior preocupação com o tratamento dado a essas platéias infantis. Nessa época também estão presentes experiências de temas como teatro de bonecos na educação, teatro de bonecos na terapia, o teatro de bonecos na televisão, entre outros.
• Mesmo diversificando a produção por diversos caminhos de estilos, o teatro de bonecos avança sua trajetória com muita vitalidade. O maior número de grupos profissionais existentes, no país, com esta característica de grupo é do teatro de bonecos. Núcleos da Abtb foram criados em vários estados brasileiros por meio das associações estaduais.
A foto é do II Abrace o Boneco Brasil/2007, promovido pela ABTB/CUB em São José dos Pinhais/PR.

20º CONGRESSO DA UNIMA NA AUSTRALIA

Aconteceu em abril, o 20º Congresso Mundia da Unima ( União Internacional de Marionetistas)O Congresso é a reunião quadrienal para o Comitê Executivo, vereadores e membros Unima de todo o mundo. Esta é a primeira vez que o congresso foi realizado no hemisfério sul, e apenas a terceira vez fora da Europa.
No congresso é discutido todas as ações da Unima e relatórios são partilhados de diversas comissões e Unima centros. Os agentes são eleitos para os próximos quatro anos, bem como o local do próximo Congresso está decidido.
O Congresso era aberto a todos os membros da Unima e foram realizadas com tradução simultânea em Inglês, francês, espanhol e japonês.
Neste congresso Susanita Freire foi eleita a presidente da Comissão Latino Americana da UNIMA.

O trabalho de Susanita

Susanita Freire é antes de tudo uma apaixonada por todos eles e por sua história. Uruguaia de Montevidéu, Susanita chegou ao Brasil em 1972 e, em 1984, fundou, com outros artistas, a Associação Rio de Teatro de Bonecos. "Sempre com sentimento comunitário", diz a atriz, arte-educadora e titeriteira - como ela própria costuma se denominar - que se engajou em associações, companhias, pesquisas e até num jornal de notícias, a Folha do Bonequeiro, com divulgação nacional. "Pela sua origem, o teatro de animação teve primeiro um caráter religioso, só depois se tornou popular", explica. "Hoje, existem textos específicos para crianças, jovens e adultos. Mas, por mais que toque neste ou naquele tema, é sempre lúdico, pois mexe com o interior daquele que assiste ao espetáculo." Atualmente, a arte-educadora trabalha também pela integração do teatro de animação na América Latina como presidente da Comissão para a América Latina da Unima (Unión Internacional de la Marioneta), órgão mundial formado em 1929, em Praga, República Tcheca. Uma tarefa que visa, antes de tudo, separar o joio do trigo dentro do enorme balaio de manifestações dessa arte.

TRABALHO DE PESQUISA SOBRE JOÃO MINHOCA:

João Minhoca era um sujeito popular no final do século 19. Negro abolicionista que, parodiando a política, caminhava pelo Rio de Janeiro e pelo Brasil contestando o sistema escravista. Tornou-se um artista conhecido, apresentando-se até para o imperador d. Pedro II. Dentre todas as suas características, uma era, sem dúvida, a mais marcante: João Minhoca era um boneco. Isso mesmo, um boneco de fio, feito de madeira e pano, e manipulado por seu criador, o tipógrafo João Batista, aliás, também negro. O famoso boneco nasceu no momento em que as marionetes foram para as ruas e incorporaram costumes e trejeitos populares típicos da época. Porém os poucos registros sobre o desembarque desse tipo de teatro no Brasil nos levam à chegada dos portugueses, numa época em que o teatro de animação era uma febre na Europa. Muito tempo se passou, e apaixonados e profissionais da animação em todo o mundo foram pouco a pouco criando uma estrutura sólida e respeitável em torno do teatro com bonecos e marionetes.


Palavras da ABTB - CENTRO UNIMA BRASIL


É um bom momento para refletirmos e entendermos que permanecemos, com força representativa, coligados a uma rede internacional por meio da ABTB/CENTRO UNIMA BRASIL, e que nosso trabalho unido vai ter repercussão em todo mundo. Vejam por exemplo as portas que se abrem com o continente africano e o latino-americano. O quanto podemos fazer para ampliar nossos horizontes artísticos e humanos no contato com estes centros que necessitam crescer assim como o nosso. Observemos por exemplo as contribuições africanas no teatro de bonecos popular brasileiro também em nossa cultura e economia de uma maneira geral. Agora vamos arrumar a nossa casa. Pagamos a nossa dívida de associados à Unima e isso nos colocou em pé de igualdade para com todos os outros centros UNIMA mundo a fora. Agora é hora de contribuirmos e participarmos de forma responsável dentro da própria ABTB e dos núcleos estaduais colocando nossa contribuição em dia. Parabéns Susanita Freire , pela garra e dedicação. Prometemos não te deixar sozinha! Diretoria da ABTB/CUB

Grupo A RODA (Espetáculo e Oficina)


O grupo a Roda foi fundado a partir da experięncia vivida por dois integrantes do grupo no Festival Mondial des Théâtres de Marionnettes, em Charleville, na França, em 1997. Com dez anos de estrada e seis espetáculos na bagagem, a companhia A Roda é um dos poucos grupos que se dedicam exclusivamente ao teatro de animaçăo de bonecos na Bahia. Composto por Stella Carrozzo, Marcus Sampaio, Fábio Pinheiro e Olga Gómez e sob a direçăo artística de Olga Gómez, o grupo prima pela qualidade visual de suas montagen s bem como pela expressividade de seus protagonistas de madeira.
O grupo trabalha com o boneco, pensando como uma escultura em movimento e nunca como elemento cênico descartável. E não por acaso, seus espetáculos aliam a magia do teatro de animação com a arte da manipulação. Em 2006, levou aos palcos o espetáculo "Amor e Loucura", que teve o apoio do "Prêmio Funarte" e "Prêmio Funceb".


ESPETÁCULO AMOR E LOUCURA:
SINOPSE: A partir de argumento de origem mitológica recontado por escritores renomados como La Fontaine, o espetáculo Amor & Loucura fala do encontro desses dois elementos e de como elas nunca mais se separaram. Vagava pelo caos a Loucura quando inesperadamente encontra um ovo. De lá nasce o Amor cheio de força e planos para o mundo. Ele põe em movimento as esferas, traz o Sol, faz a luz, e com suas flechas, convidas as criaturas a se apaixonarem. Loucura assiste aos seus esforços e aí vai... E desde então o Amor é cego e a Loucura sempre o acompanha...
Munidos de luvas, os atores manipuladores vestem preto e trabalham sobre uma estrutura circular móvel que faz alusão ao universo. A concepção do Grupo A Roda imprime ao tema elementos fantásticos, apoiados pela magia dos bonecos de madeira confeccionados por Olga Gómez e pelos poemas de Myriam Fraga que, pela primeira vez, são narrados pela própria poetisa. O espetáculo tem direção de Olga Gómez, direção musical de Uibitu Smetak e iluminação de Irma Vidal.














ESPETÁCULO: Amor e Loucura
PÚBLICO: Todas as idades
DIA: 04/06/2008
HORÁRIO: 19:30
LOCAL: SESC AGUA VERDE - Salão de Eventos
INGRESSOS:
COM: 3,00
USU: 6,00













Dia 22 de maio (quinta-feira), o Ponto de Cultura Anima Bonecos de Rio do Sul (SC) vai receber a companhia de teatro de bonecos baiana A Roda, que trará o espetáculo Amor e Loucura para o público rio-sulense. O evento faz parte de um circuito de teatro promovido pelo SESC e que percorre várias cidades catarineneses.
A apresentação está marcada para 20h, na sede do Ponto de Cultura Anima Bonecos, que fica à Rua Vidal Ramos, 197 (atrás do Supermercado Mezzalira). Os ingressos custam R$10,00, sendo que comerciários, estudantes e idosos acima de 60 anos pagam meia entrada.

A OFICINA:














Oficina: "MADEIRA VIVA"
( Oficina de manipulação de bonecos)
Coordenação Pedagógica: Olga Goméz
Facilitadores: Fábio Pinheiro e Marcus Sampaio
Público alvo: Maiores de 18 anos, interessados em geral, com ou sem experiência em teatro.
Número ideal de participantes: 10
Duração: 08 horas ( único dia)

A oficina tem com coordenação a diretora Olga Gómez, a oficina pretende exercitar os princípios básicos para desenvolver um trabalho de manipulação direta com bonecos articulados em madeira. A partir de informações teóricas preliminares, os participantes experimentarão o processo que envolve a animação de bonecos articulados e terão a oportunidade de conhecer suas respectivas peculiaridades técnicas e construtivas.
Objetivos:
Possibilitar a vivência do processo de manipulação direta com bonecos do repertório do Grupo através de exercício práticos.
Buscar um código de movimentos através de princípios de manejo com o intuito de obter sincronicidade, explorando ações simples de tensão, vigor e reação.
Exercitar a neutralidade corporal e a transferência de ações/emoções para o boneco dotando-o de conteúdo humano.
Conteúdo Programático:
Sensibilização dos sentidos e apreciação do tempo da matéria através de exercícios de aquecimento com bastões e bolas.
Demonstração das peculiaridades da técnica de manipulação direta e apresentação dos bonecos de madeira a serem utilizados.

Exercícios de foco e Sincronia de movimentos entre dois ou três manipuladores.